Novos Povoadores

Apoiamos familias metropolitanas a instalar negócios em territórios rurais

Potencial turístico como mote

Era uma vez uma casa de aldeia ‘plantada’ na encosta da Serra da Estrela, em pleno Parque Natural, e que, ao contrário de tantas outras perdidas no interior de Portugal, teve um final feliz através do projeto “Casas da Lapa”.
Datada de 1832, a velhinha habitação renasceu como unidade de alojamento pelas mãos de Nuno e Maria Manuel, que escolheram investir no concelho de Seia não só devido à ligação familiar que tinham à aldeia mas também pelo potencial turístico que reconheciam àquele território.
No processo de recuperação das Casas da Lapa, nada foi pensado ao acaso, tendo o investimento resultado numa unidade que “seduz pelo brutal contraste entre a agreste grandiosidade da paisagem e a sua atmosfera, acolhedora e sofisticada”.
“A autenticidade está presente nos materiais de construção tradicionais, como o granito e a madeira, e a modernidade está presente na arquitetura e na decoração. O resultado é um espaço físico único. Se a este espaço físico estiver aliado um serviço de excelência, o resultado é um hotel onde os turistas se sentem muito bem”, sublinhou Maria Manuel.

Mais que apenas uma estada, um convite para explorar a Serra

Além de garantir linhas modernas sem perder o traço tradicional, as Casas da Lapa têm outro forte fator de ligação ao ambiente que as envolve, mais exatamente o cenário da zona protegida da Serra da Estrela. “Os hóspedes são sempre estimulados a caminhar no Parque Natural, é-lhes dada informação acerca da região, dos percursos existentes e é sempre sugerida uma visita aos centros de interpretação”, explicou a empresária revelando que é também disponibilizado acompanhamento gratuito.
O “Parque Natural da Serra da Estrela é um recurso valioso para a atração e fixação de turistas nacionais e estrangeiros”, defendeu Maria Manuel, lamentando, no entanto, que Portugal ainda não seja reconhecido a nível internacional como um destino de Turismo de Natureza.
Para combater essa lacuna, a empresária acredita ser necessário que os agentes locais privados apostem “na qualidade dos recursos humanos, nomeadamente no que respeita ao conhecimento de línguas e ao conhecimento do próprio território onde se inserem, na qualidade dos serviços que prestam e na qualidade da comunicação que estabelecem com os potenciais mercados (publicidade, branding, marketing)”. “A produção, promoção e a utilização ao nível local de produtos agrícolas endógenos deve ser potenciada pelos agentes locais públicos e privados”, defendeu.


Inovação nos serviços reflecte-se na taxa de receção dos hóspedes

Nas Casas da Lapa “a inovação esteve sempre presente”, desde a arquitetura de elevada qualidade e com elementos diferenciadores, à decoração e sobretudo aos serviços. “A aposta feita num serviço personalizado e de qualidade, quer no que respeita à receção e acompanhamento dos hóspedes, quer no que respeita à gastronomia, traduziu-se numa elevada taxa de repetição dos hóspedes”, garantiu Maria Manuel.
Dez anos depois de renascer das ruínas, as Casas da Lapa estão agora a virar mais uma página da sua história com a sua ampliação e requalificação. Reabrirão em breve com novos espaços e novos serviços, vocacionados para “um patamar de qualidade mais elevado”.